quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Movimento pela Paz



18 comentários:

Anônimo disse...

Movimento Pela Paz, é?

Na periferia de Belém esse tipo de manifestação acontece todos os dias. Mas não é de forma silenciosa e educada como os ricos costumam fazer.

A manifestação acontece no debruçar das mães sobre os caixões baratos, aos gritos de dor. A imprensa noticia.

Nessa hora, os financiadores do crime, que em seus apartamentos fazem fumaça e enchem a cara de pó, silenciam confortavelmente.

Os ricos e a classe média que quer ser rica (esclareço que não estou generalizando) são vítimas da própria irresponsabilidade.

São os grandes vilões dessa história.

Com o prório dinheiro financiam a violência e, consequentemente, a morte de muitos dos seus.

No meu último emprego, tinha uma criatura deplorável e metida a rica que só falava sobre maconha. Era seu assunto predileto. O cara fazia piada com a miséria alheia. De tão burro, não sabia que a piada era sobre a insignificância dele mesmo.

"No último natal papai Noel escondeu um brinquedo
prateado, brilhava no meio do mato
Um menininho de 10 anos achou o presente,
Era de ferro com 12 balas no pente
E o fim de ano foi melhor pra muita gente" (Mano Brown).

Flávio Oliveira
http://diariodebelem.blogspot.com

Anônimo disse...

Rapaz... esse Fábio Oliveira tem algum problema, só pode...

Yanna disse...

Não sabia que "rico" não podia sofrer. Nem morrer. Nem protestar. Não sabia que violência era "privilégio" de poucos.
Não sabia que a morte de uma pessoa - seja de que letra for A. B ou D - poderia causa indignação por um motivo totalmente contrário ao que se espera. Enfim. Tempos modernos.

Anônimo disse...

Cara,a insegurança não escolhe classe nem cor.
para de reclamar e vai a passeata
começa a fazer algo pra modificar ao invés de só criticar

Malu, Dolores e Maria disse...

Sou classe média e, na boa, não me sinto vilã de nada. Revoltante essa frase. Que mania de generalizar você tem.

Amigo, vilão também é quem não tem condição de viver dignamente e põe filho no mundo. Um, dois, três, quatro...dez! Isso também é financiar violência.

A verdade é que, independente de classe, muitos são os culpados e
a discussão é longa. Não começa e termina no seu comment.

Anônimo disse...

Problema por ter opinião, anônimo? Em que país você vive? No que eu vivo, as pessoas são livres para opinarem.

E quem tem capacidade podem opinar em contrário, como fez a Yanna. Tem uma coisa interessante que certamente você não conhece, amiguinho.

Essa coisa é pensar, tentar usar o cérebro para alguma coisa, mesmo que seja equivocada. Assim funciona o mundo das idéias.

Flávio Oliveira
http://diariodebelem.blogspot.com

Oportunidades Belém disse...

Até aqui vocês estão brigando? E olha que o post é sobre paz.

Anônimo disse...

O que critico não são passeatas contra a violência. A briga é que somente quando um rico ou pequeno burguês morre, toda a sociedade endinheirada se comove. Eu me comovo com o povo da periferia.

Antes de levarem um balaço na cabeça, os ricos ou a "classe média" a qual pertence a Malu, deveriam conhecer a periferia. Sentir que há muito de humano por lá. Fazer alguma coisa por quem não teve oportunidade.

Traficantes, assaltantes e ricos estão no mesmo barco neste país. São vítimas de um sistema corrupto bancado pelos próprios ricos que querem ficar mais ricos.

A diferença é uma só: moram em bairros diferentes.

Flávio Oliveira
http://diariodebelem.blogspot.com

Anônimo disse...

É meu querido Flávio, pelo visto você realmente não conhece uma periferia, sabe pq? pq na periferia as crianças (a maioria, não generalizando pq eu sou uma excessão) são criadas em um ambiente propricio a violência, estão acostumadas a verem seus pais, tios, irmão e vizinhos roubando e matando, lá a morte não é novidade, assalto é como sol tem todo dia, lá nao tem hora e nem lugar pra acontecer, tá tão ruim q tem ladrão roubando ladrão (e não é mentira não) até a policia tem medo de passar por lá, a Celpa tem q ir escoltada para fazer corte de energia pq eles estão mais armados do q a policia, e se vc presenciar um assalto olhe pra baixo e finja q não está acontecendo nada, nem se atreva a reagir, pq é morte na certa, na periferia, as crianças brincam de policia e ladrão, e a maioria querem ser o ladrão (tbm nao é mentira), um dia desses estava na sala da minha casa e ouvi vozes de criança chamando palavrão, ai eu me levantei e tinha um menino de uns 6/7 anos gritando coisas horriveis pra outro, ai eu falei pra ele parar com isso e ele me olhou e falou:
-Vai te fuder e não te mete!
um absurdo pra muitos e normal pra outros!
A coisa mais facil é comprar uma arma por ali, e não me venham q isso é questão de diferenças social, falta de emprego, oportunidade, de q ninguem olha pro pobre e blá, blá
JÀ CHEGA DE CULPA OS OUTROS!!
Eu odeio quem defende vagabundo, ladrão, safado, qndo eles estão armados eles são os Fodões,os Picudos (me desculpem pelas expressões, mas to mt indgnada!!) mas qndo pegam os safados eles começam fazer akela cara de dó deles, tudo mentira.
Oportunidade tem sim, na Casa do Trabalhador tem mts vagas pra emprego é só se cadastrar, no curro velho tem varios cursos q são baratos, tem o programa menor aprendiz q mt empresas estao adotando... eles não querem é trabalhar qerem é dinheiro fácil, enquanto agente fica se matando de trabalhar, pega onibus lotado, mal humor de cliente, de chefe, pra depois um vadio desse vim roubar o q agente suou pra ganhar!!!

É Flávio a questão mesmo não é de quem é a culpa, a questão é q temos q sair um pouco do nosso mundinho e começar a se mexer pq vc pode tomar um tiro sentado na sua confortável cadeirinha ai acessando o seu blog!!!!

Isso é Pará, Isso é Brasil!!!

Anônimo disse...

Fora de brincadeira. Esse Flávio está se tornando insuportável.
Gazolla.

Anônimo disse...

É impressionante até onde chega a ignorância de certas pessoas..
Eu jurei que não ia mais comentar nesse blog... mas eu nunca li tanta coisa absurda. Será mesmo que este anônimo aí em cima acha que violência é uma questão de gosto ou de instinto? Que bandido é bandido por que gosta de ser? Ou por que se a "periferia" é violenta o resto da sociedade não tem nada a ver com isso? Ou que devemos deixar que por isso as coisas continuem do jeito que estão? Tenha a santa paciência!
Vá estudar um pouquinho a história e entender quais motivos nos fizeram chegar até aqui antes de sair falando bobagens e reproduzindo o discurso da maioria desinformada.

Anônimo disse...

O anônimo já ouviu falar em Jardim Ângela, Parque Arariba e Capão Redondo, na zona sul de São Paulo?

Esses bairros são famosos no país inteiro, pela violência. Morei durante três anos no Parque Arariba, uma grande favela entre o Jardim Ângela e Capão Redondo.

Também já fui vítima de violência na periferia de São Paulo. Mas, em momento algum mudei meu discurso com relação a uma violência pior, a dos ricos contra os pobres.

Casa do Trabalahador, Fundação Curro Velho e Programa Menor Aprendiz? Não me faça rir, caro anônimo. Tem que ser muito ingênuo para acreditar que essas instituições vão tirar da miséria a maioria da população de Belém.

Cabeça foi feita para ser usada, amigo. faça mais um pouco de esforço. Pensar não dói.

Flávio Oliveira
http://diariodebelem.blogspot.com

Rodrigo disse...

Tirar da miséria não vai mesmo. Mas o cidadão tem que começar de alguma forma, né? Ganhar pouco não é desculpa pra virar ladrão.

Anônimo disse...

Sabe acho mt válida essa discursão, sabem pq? pq pelo menos estamos começando a nos manisfestar de alguma forma contra a violência, por mais q estejamos discutindo, até brigando... mas de alguma maneira paramos pra pensar no caminho q estamos seguindo! Olha lorena não acho q um anonimo como eu seja um covarde, mas é uma forma de cautela diante da situação q o blogueiro do PP passou!

Então... Concordo com Rodrigo, qer dizer entao se eu nao arranjar emprego vou roubar e matar isso é uma opção né? gente parem de pensar que ñão se tem opção para as pessoas, ninguem tem culpa de nascer rico ou pobre, mas as pessoas traçam os passo de suas vidas, é claro q a casa do trabalhador e tal... não vai acabar com a miséira do mundo oh, meu deus, esse pensamento é q piora as coisas, pensar q uma coisa pequena não faz a diferença, mas se somada a milhares de pekenas ações fará uma diferença absurda.

Flávio o q vc faz para diminuir a violência?? aposto q nada! apenas criticar akeles q qerem 'tentar' diminui-la!!

E outra eu nao preciso estudar a historia para saber o q se passa no presente, a realidade é bem mais complexa do q esses livrinhos q vc se esconde.

Anônimo disse...

Anônimo amiguinho, não costumo postar nada sem me identificar. Os "livrinhos" dos quais você fala são de outra pessoa. Não escrevi isso, mas concordo. Você deveria estudar a história deste país.

Flávio Oliveira
http://diariodebelem.blogspot.com

Anônimo disse...

vcs só sabem falar... agir que é bom, nada!
aposto como ninguem moveu uma palha até agora para tentar amenizar esse problema.

Anônimo disse...

Taí gente mais uma morte!!! E agora flávio o q vc acha disso???

acha e nao deve ser feito nada so pq foi um promotor??? mas ele tbm é cidadão!!!

Já chega de violência!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Flávio Oliveira disse...

Concordo plenamente com a declaração do secretário de segurança pública: "a violência em Belém não é diferente da que acontece em qualquer outra grande cidade".

E explico: o grande problema é que os ricos de Belém ainda não sofriam com a violência, tal como acontece no Recife, Rio, São Paulo, etc.

Nessas cidades, todos os dias morre gente da classe alta ou média. Mas os maiores vitimados mesmo são os pobres e trabalhadores, como sempre aconteceu em Belém.

Belém apenas entrou para a lista das capitais onde a violência atinge agora também os ricos. Não é mais um paraiso para eles.

Sociologicamente falando, na economia de mercado o crime é apenas mais um negócio (imoral, é claro).

Há quem acumule capital para gastar com futilidades. A renda é mal distribuída. E os desvalidos, vítimas dessa injustiça social, empreendem seus 'negócios' da forma mais rude possível. Com uma arma na mão.

Esta é uma tese defendida também por Dom Oroni Tempesta.

Flávio Oliveira
http://diariodebelem.blogspot.com