terça-feira, 2 de junho de 2009

Pra pensar

Belém perdeu. Nós podemos ganhar.
Texto do publicitário Edgar Cardoso

Belém perdeu a disputa pela Copa de 2014. Mas não foi só Manaus que venceu. Ganhou a corrupção e a incompetência administrativa. Ganharam os conchavos e a política do “primeiro eu”. E a do “primeiro os meus”. Venceu o trânsito caótico e a desorganização quase cultural em todos os setores. Venceu o “ah... deixa pra amanhã”, a falta de orientação para o trabalho e a satisfação com pouco. Ganhou a mediocridade e a falta de perspectiva, que faz todos os anos centenas de jovens universitários e recém formados irem embora de Belém, disponibilizando seus cérebros para desenvolver outros estados, outros países. Ganhou a saúde desumana e a educação ineficiente. Ganharam os carros com som alto e a música ruim, travestida de manifestação popular, quando é apenas falta de acesso ou referência. Venceu a grosseria dos atendentes. A falta de “por favor” e “obrigado”. Venceram os carros parados no meio da rua, para que seus motoristas possam falar com seus amigos na calçada, esquecendo o direito dos que aguardam atrás deles.

Belém perdeu. E em primeiro lugar ficou a violência, antiga conhecida dos bairros pobres e agora já na porta, entrando nas salas em “L” dos apartamentos ricos. Ganharam as ruas esburacadas, que enchem para delírio dos ratos. Venceu a falta de creches, o abandono da infância, a prostituição infantil. Venceu o trabalho escravo doméstico, sob a roupagem de adoção de meninas do interior. Ganhou a enorme diferença social, menor apenas que o tamanho das valas a céu aberto das favelas horizontais da cidade. Ganharam os políticos caricatos e espertalhões, vindos da velha política oligárquica que só ressoa ainda nos mais afastados rincões do Brasil e seus ramais.

É, Belém perdeu. Mas tem perdido há muito tempo a vergonha e ganho apenas a naturalidade cínica da indiferença.Venceu o conformismo, o jeitinho “tudo bem”. Venceu a burguesia ignorante e suas crenças no direito divino de mandar e ser servida. Mas também venceram os aproveitadores disfarçados de povo, que usam a massa para obter os privilégios que nunca tiveram. Belém perdeu. E, sobretudo, ganhou a crença de que Belém é “do cacete”, que é uma ótima cidade para morar, com povo acolhedor e amigo, o “Portal da Amazônia”. Não é. É uma cidade violenta, cara, suja, desorganizada, com alto nível de falta de educação, com poucas e mal remuneradas oportunidades de emprego e onde quem não tem um plano de saúde está perdido. Uma cidade que vive muito mais de passado que de história, ébria ainda por áureos tempos da borracha que deram às elites daqui uma patética certeza de nobreza, quando, na verdade, não passa de uma oligarquia ostentadora e interiorana.

Belém perdeu. E o que vai acontecer, com toda certeza, é ficarmos mais uma vez cheios do orgulho que tiramos não sei de onde e dizer aos 4 ventos que foi por causa de uma politicagem de “não sei quem”. A típica atitude de perdedor. A forma fácil que temos de enfrentar os problemas.

Belém perdeu. Porém, podemos ganhar muito com essa experiência, olhando, pela primeira vez, além do pato no tucupi, do açaí e do tacacá. Temos que perceber agora, não depois, a rota descendente em que se encontra a capital e o estado como um todo. A cidade do abandono, o estado da violência rural e do desmatamento. Temos que votar melhor, pensar mais no coletivo e não no individual. Ler mais, educar mais, trabalhar mais, reclamar mais.

Chega dessa postura de rechaçar críticas por pura vaidade em nome de uma história longínqua. E cada vez mais distante, pois a história é escrita pelos vencedores.

Vamos mudar Belém e o Pará começando por nossas atitudes, entendendo o direito do outro como tão importante quanto o nosso, valorizando a educação e o saber como principal patrimônio e legado. Chega de ser uma ilha, quando cada cidade hoje é global. A raiz de tudo isso, de todos os problemas, somos nós. Nós é que precisamos mudar como povo. Em 2014 não vamos sediar a Copa. Mas, com certeza, como principal cidade de uma das regiões mais importantes do Planeta, poderemos começar a ganhar o mundo.

12 comentários:

Yuji Yamanouchi disse...

Tinha recém lido o comentário no Pó de Video, e vou aqui adicionar o mesmo desabafo que fiz lá:

---

Não levamos 2014... culpa da 14... O Pronto Socorro.

Não sei se comento o que muita gente não gostaria de ouvir hoje. Se for por ignorância, talvez de um lado, pode ser por ciência empírica do outro: AINDA BEM QUE NÃO ESCOLHERAM BELÉM. Dinheiro na cidade todo mundo quer, leva o seu, também, obrigado, mas enquanto esse povo não aprender a votar direito e tiver um pouco mais de cultura, ocupação, amor pela cidade e pelos outros, ACHO MUITO BEM FEITO que Belém acabe junto com esta derrota de carregar também o falso título de "Metrópole da Amazônia".

Pará, Terra sem Direitos, sem Mangueiras, sem futebol, sem Governo, sem Prefeitura, sem trânsito, sem Escola, sem segurança, sem Hotel, sem Turismo, sem atendimento de qualidade, SEM SAÚDE... sem dignidade, sem-vergonha.

Parabéns Ana Júlia, Parabéns Dudu por não fazer NADA e assim evitar o Pior ao mostrar o quanto nossa cultura é fraca, o quanto o povo é porco, o quanto nossos políticos são omissos e o quanto nosso Pará morreu no Pronto Socorro da 14, num leito de hospital, num corredor ou numa pia de banheiro. Obrigado por esconder isto do resto do mundo e eu, não morrer de vergonha.

E não confundam amigos paraenses: Manaus não é Argentina. Não é nosso rival. Perdemos por nós mesmos.

Até mais 2014, até mais 14. No outro século teremos mais uma chance.

Até lá.

Yuji Iamanouth

Edgar Marçal disse...

Edgar Cardoso, Parabéns pelas palavras, elas são fortes e realistas. Uma verdade real de Belém, que precisa acordar de uma passividade imoral, espero que outros não digam que a culpa é do açaí.

Edgar Marçal

Nhô Gláu disse...

Alguém realmente acreditou que a nossa cidade iria ganhar? Sempre esteve muito óbvio que não. Realmente. Deem uma olhada nas calçadas da majestosa Alm.Barroso e Augusto Montenegro (sinceramente é um absurdo desmedido o descaso... e com as maiores avenidas e mais movimentadas... inclusive onde estão os nossos estádios de futebol!!!). Sem dúvida que poderíamos enumerar muitos absurdos de descaso dos governos... MAS O MAIOR DESCASO É DA POPULAÇÃO... LIXO... TRÂNSITO... EDUCAÇÃO...
Precisamos acordar para as políticas sobre a região amazônica... NÃO TEMOS MORAL... os homi tão chegando... depois não adianta neguinho chorar quando tiver que pagar pedágio p/ ir até mosqueiro ou icoaraci... e a grana for toda p/ o sudeste; p/ os states; OU PARA O BOLSO DOS POLÍTICOS DESAVERGONHADOS! Estamos tão perdidos e sem candidatos que logo logo os Barbalho voltam ao poder na capital... Se não estiverem satisfeitos com os próximos candidatos, por favor votem nos "menores". é a única chance para tentar quebrar os esquemas e renovar as esperanças!
Ufa. Era isso.

:) disse...

Cara, estou literalmente na ponte aérea Belém - Manaus, meu pai mora lá, eu já morei lá 2x, já trabalhei lá e posso afirmar: Belém não tinha a menor chance...

O Governo do Amazonas bota pra quebrar há anos, sou paraense, mas o q acontece aqui é uma vergonha.

:) disse...

Háá, não posso deixar de comentar... Em Manaus cada bairro tem: um Posto de Saúde adulto, um Posto de Saúde infantil ( que eles chamam de CAIC - Centro de Atenção Integrada a Criança), um hospital e ainda uma Maternidade. Repetindo, por bairro... Tudo novinho, sempre reformado.
No tempo que trabalhei em uma agência lá e atendiamos a Unimed de lá cansamos de fazer campanhas onde o problema a ser combatido era o fato da população preferir a saúde pública que fazer o plano de saúde, é mole...
Lá não morre criança na pia, o Amazonino e o Eduardo Braga tem vergonha na cara, coisa que falta aos políticos do Pará, infelizmente!!!

Anônimo disse...

Eu ia escrever, mas o yuji já disse tudo: "Pará, Terra sem Direitos, sem Governo, sem Prefeitura, sem trânsito, sem Escola, sem segurança, sem Hotel, sem Turismo, sem atendimento de qualidade, SEM SAÚDE... sem dignidade, sem-vergonha"

Mas, permitam-me acrescentar: Terra de Ana Júlia, que certamente embolsaria metade da verba destinada às obras da copa, assim como fez com os kits e agendas superfaturados da SEDUC, em parceria com agências e gráficas não menos picaretas.

E a resposta do Pará ao desmatamento? CORRUPÇÃO NA SEMA! Nada de um bilhão de árvores. O Pará precisa evoluir. Que volte ao poder a direita imcompetente, pois dói menos que a esquerda organizada em quadrilha.

Flávio Oliveira (respirando novos ares)
Recife - PE

Mila disse...

Amém a todas as palavras postadas aqui.

Era de se esperar mesmo que isso fosse acontecer.

Priscila disse...

Parabéns, você fez um belo e exagerado texto. Concordo que Belém tem todos esses problemas citados por você, e realmente o parabenizo pelas palavras que serviram como uma injeção por cima da camisa do belenense. Entretanto, lembre-se que inicialmente a disputa era Belém x Manaus para quem sediaria os jogos da copa. O fato de Belém não ter sido escolhida não é parâmetro pra definir se Belém é ou não uma boa cidade. Então eu pergunto: Se Belém tivesse sido escolhida o discurso seria diferente? Quer dizer então que é a FIFA que decide quem é a metrópole da Amazônia ou quais são as melhores cidades do Brasil? Nossa cidade tem muito o que melhorar pelas nossas mãos e pelas mãos dos governantes, mas não é derrubando o sentimento de orgulho em ser paraense que vamos chegar em algum lugar.

Anônimo disse...

Priscia, sem ofender ninguém (porque já fomos muito ofendidos) niguém aqui está brigando com Manaus ou dizendo que está revoltado com a FIFA. Acho que você não entendeu o texto do nosso amigo Edgar. Mesmo que tivéssemos ganhado ainda assim estaríamos envergonhados. Estamos envergonhados por tudo o que acontece e que foi citados pelos leitores do BLOG, e não pelo que a FIFA "decidiu". A prpoposta aqui é justamente deixar o orgulho de lado e pensar como pessoas dignas.

Pense: será que as notícias do Pará já não falam por si? Pedofilia barata, saúde falida, desmatamento parasita, desvio de verba pública e privada, custo absurdo de moradia, internet de última categoria, atendimento de quinta, trânsito caótico, escolas caindo aos pedaços, ver-o-peso fedendo a lixão, turismo de fundo-de quintal...

E será que o FORUM SOCIAL MUNDIAL já não foi suficiente como amostra de que não temos nem como receber turistas, que tiveram que ficar abrigados em escolas públicas e dividindo banheiros únicos?

Eu também teria vergona. Agora gostaria que você refletisse: ORGULHO de quê? É este orgulho que nos cega e não nos deixa mudar nossas estúpidas atitudes de paraenses, sem cultura, sem escolaridade e sem opinião.

V. disse...

Priscila, acorda.

E parabéns pelo texto da realidade, não "alienalidade".

-V.

Anônimo disse...

Palavras muito justas.

Além de uma politicagem absurda que impera em nosso país,temos que ter o bom senso de admitir q BELÉM
tem estrutura meramente técnica pra receber uma copa. mas e o resto...?????? é preciso mais que um estádio para pode bater no peiot e dizer:" nós fomos injustiçados" .
Essa é minha humilde opinião

André patrick Siva - Estudante de Publicidade

Pacheco disse...

Belíssimo comentário. Só gostaria de salientar que todos nós, que tivemos oportunidade de estudar um pouco mais e termos uma visão levemente melhor de todas essas imundícies e hipocrisias urbanas que vivemos e vemos no meio público, hoje e sempre, podemos nos considerar pessoas privilegiadíssimas. Pergunto: aqueles que moram nessas "favelas horizontais", com pouca ou nenhuma instrução escolar, que vendem seus votos por uma camisa barata ou prato de comida têm a mesma condição de decidir por um voto verdadeiro, com base legítima e consciente? Essa corja que nos governa não tem o interesse de melhorar a edução que, ao meu ver, é a principal via para tomarmos o caminho certo, pois secaria a linda e inesgotável fonte dos seus prazeres: o dinheiro público. E assim caminha a humanidade...

Abraços.

Conheça meu blog: Trânsito Caótico de Belém (http://transitoblm.blogspot.com/)