terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Belém II

Mais anúncios do aniversário, agora com ajuda de um print screen alheio já que o meu é fuleiro. Vote no seu. Mas sem anonimato, crianças. Acho um grande desperdício as pessoas que fazem textos enormes - com alfinetadas, mas também com outros bons argumentos - e que se perdem como anônimos. Um pingo de coragem, amigos.








15 comentários:

Marcio Rolim disse...

Entre todos, acredito que o mais singelo é o da DC3 (que eu carinhosamente chamava de ZP6). Todos os outros são lugar comum, inclusive o da minha agência. Balões com a fala dos professores tem tudo a ver com a proposta educacional do cliente em questão. Só um detalhe relevante apenas para mim: a fala do professor Júlio Reis (com todo respeito) é uma agressão à linguística contemporânea. Não existe uso mais correto ou menos correto de língua. O que existem são variações e diferenças culturais mais e menos prestigiadas que tornam toda e qualquer língua individual e mutacional.
Lindo anúncio, ZP6.

Música Paraense disse...

Galvão is Rules!

Anônimo disse...

Quem assinou o anúncio da Inneuro?

luis disse...

Volto a dizer, o do boulevard é o melhor:
- tem idéia

- a idéia simples e legal

- ele homenageia a cidade, mais do que vende o anunciante. o que todos deveriam fazer

- não tem trocadilho visual nem de texto

- não tem um texto que fala a mesma coisa faz 393 anos

- mas tem um bom subtítulo

é o melhor.

luis disse...

Ah, e o que faz dele o melhor não é isso. É que o título diz uma verdade.

Alguém sabe qual a agência?

Anônimo disse...

Também gostei do anúncio da DC3, ZP6 ou o que for. Ideia redondinha.
Parabéns aos criadores.

Juan pablo disse...

Um monte de ideias recicladas, menos o da DC3 que realmente está fora dos padrões.

Thiago disse...

Ah! Eu gostei mesmo foi o da Unimed. "Chupa essa manga" foi ótimo! Gente, vamos falar a língua do povo. É disso que o povo gosta. Bom humor na medida certa. Excelente idéia. Pra mim a melhor. Uhuu!!!

Alamir Marinho disse...

Quem assinou o da Ineuro foi a CA. Achei bem em linha com a proposta do cliente, por sinal.

Carol Marçal disse...

Adorei o DC3 para o Universo. Fugiu completamente dos clichês e conseguiu homenagear a cidade ao mesmo tempo que vendeu o cliente.
Estou gostando de ver os elogios por aqui. Parecia que as pessoas só estavam dispostas a malhar o trabalho alheio. Críticas são super importantes, mas é preciso também reconhecer os bons trabalhos.

Anônimo disse...

Bem. Não sou da área. E por isso, mesmo, acho minha opinião muito válida, porque sou público. Publicitário julgar publicitário não é lá muito confiável. Tem as panelinhas, os puxa-sacos etc etc. Mas deixa pra lá. O que quero dizer é que anúncios confusos e cheios de textos, a gente, o público comum, passa direto. Esse do Universo, por exemplo. Que confusão de tanto texto e tantas cores é essa??? Dei uma olhada rápida, mas não tive paciência. Esses anúncios de homenagem, quanto mais imagem e idéia forte, melhor. E idéia forte, na minha humilde opinião, não quer dizer texto e cores em excesso. Que me desculpem quem fez esses anúncios. Não conheço a agência.
Paulo Siqueira - Design de Interiores

Marcio Rolim disse...

Paulo, entendo sua angústia em relação aos anúncios que poluem sua visão atrapalhando a leitura e entendimento. Mas acredito que pior do que um cartaz alegre e colorido, que denota aniversário, é repetir as idéias cansadas de 'parabéns Belém' que temos visto e feito ao longo dos anos. Quanto às panelinhas e opiniões, nada mais justo que os próprios publicitários, como opinião especializada, critiquem as peças.
Coloque um trabalho de design seu aqui, uma foto, e nós, que não somos especialistas, vamos fazer nossas críticas. Aceitas o desafio?

Marcio Rolim

Anônimo disse...

Desculpe, Márcio. A propaganda é feita, então, para publicitários. Eu, como público, devo me recolher a minha insignificância. De pensar que ainda inventam o prêmio Voto Popular. Pra quê se opiniões como a minha não contam??? Putz!
Paulo Siqueira

Rolim disse...

Você na sua insignificância e ignorância sim, pois em nenhum momento eu disse que o público em geral não pode opinar, mas retaliei o fato de você ter dito que NÓS publicitários não deveríamos fazer o mesmo juntamente com todos. Se você não sabe nem ler e interpretar um texto, recolha-se mesmo em sua insignificância. Ainda agurado seu trabalho para ser apreciado por nós, público, opinarmos.
Marcio Rolim

Priscila Monique disse...

Rolim é tão insignificante quanto as bobagens que fala do "pobre" público Anônimo, muito desnecessária essa briguinha.
Até agora só vi você falar em desafios, que grande graça tem isso? Por sua vez o blog deveria se prender em cometários significantes, tanto quanto seus anunciantes.

Até professores de português!