terça-feira, 1 de junho de 2010

#putaprofissional Atendimento

Nossa primeira convidada aos posts de #putaprofissional (trocadilho infame, mas quase real pra muitos) é Ana Paula Vilhena, Atendimento e Planejamento da Mendes Comunicação, professora, mãe e, de fato, uma excelente profissional no que faz. Perguntei a ela o que um Atendimento precisa saber - e fazer - para ser um #putaprofissional e essa aí embaixo é a resposta do nosso primeiro post. Espero que gostem. Eu gostei. Valeu, Ana.


Vou falar aqui de 3 palavras que pra mim são essenciais na profissão:

Reinventar-se. Uma palavra que tem muito significado para mim. Ter habilidade para se adaptar às mais diferentes situações e quebrar barreiras. Às vezes você acha que já viu de tudo, que já sabe tudo, mas isso é um grande erro porque paralisa, faz com que você rotule os clientes e o mercado. Mesmo que as situações se pareçam com outras que você já viu ou já viveu, você tem que pensar que elas são novas porque muda o momento e mudam os personagens. Então: REINVENTE-SE para encarar os desafios.

Apaixonar-se. Você só consegue ser bom profissional se gostar do que faz. Se você detesta o que faz, como pode ser bom naquilo? Eu tenho meus momentos de xingar, berrar, espernear, mas, no fundo, a gente só gasta as energias reclamando, quando quer melhorar ou lutar por uma causa, não é? É igual cliente insatisfeito: se ele chega ao ponto de ir à loja reclamar e fazer valer seus direitos, é porque ele quer continuar sendo cliente daquele lugar. Mas, se ele vira as costas e se cala, provavelmente nunca mais voltará ali. Então é isso: “nóis se fode, mas se diverte”. Eu sou feliz na minha profissão, gosto de desafios, adoro ir a um cliente e ver que ele se empolga com as minhas sugestões, adoro ser vista como uma consultora, como uma pessoa de confiança do meu cliente. E acho que graças a essa realização que eu encontrei na profissão, que aliás eu escolhi muito cedo, pude me apaixonar por outras atividades também, como ser professora.

Integrar-se. O mercado hoje enxerga o profissional de atendimento como um verdadeiro Integrador. Não é que o nome da função tenha que ser trocado, mas é que o profissional de atendimento precisa se ver dessa forma. Ele existe para integrar processos e pessoas. Para isso, ele precisa ser antenado, atualizado com as técnicas, ser habilidoso e conciliador. Detesto atendimento que só faz dar um “encaminhar” no email que o cliente passou, sem tecer ao menos um comentário. Detesto atendimento que não senta na cadeira pra fazer um briefing decente e coloca a culpa no cliente, que não repassou nenhuma informação. É obrigação do atendimento tentar extrair mais informações, tentar interpretar o que o cliente pediu, ao menos pra ter um diálogo com a criação. É por isso que a criação vive em crise com o atendimento. Porque tem muito atendimento que não se faz respeitar, que não se impõe.

Para concluir, eu acho que não existe fórmula para ser um puta profissional. Cada um sabe de si. Mas o mínimo que se exige hoje em dia é ser apaixonado pelo que faz para, com muita técnica e perspicácia, reinventar-se e integrar-se a cada dia.

3 comentários:

A. Tolosa disse...

ADOREI! Que legal a idéia desse espaço aqui, é uma ajuda e tanta pra todos que fazem comunicação, estar por dentro das novidades e aprender detalhes que ainda não executaram na prática!

Parabéns!

Portfólio Mayra_Araújo disse...

Concordei com tudo o que Ana Vilhena disse. Acho q o atendimento é a base de todo o processo. Com uma boa base o cliente sairá muitíssimo satisfeito, querendo sempre mais e mais...

Anônimo disse...

muito bom. Já sou formada em publicidade, e como a Ana falou, voce tem que ser apaixonado por aquilo que faz, o que não é o meu caso, formei na area da comunicação, porem trabalho em uma outra area por falta de oportunidade. Mais um dia eu chego lá. Valeu.